São Paulo, 20 de Julho de 2017

/ Brasil

Entidade de exportadores de carne nega envolvimento de membros em denúncias
Imprimir

As exportações brasileiras de carne bovina somaram US$ 5,5 bilhões e totalizaram 1,4 milhão de toneladas no ano passado

A Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), principal representante no País da indústria de carne bovina brasileira, afirmou que nenhuma planta de carne bovina dos seus 29 associados está citada na denúncia de esquema entre frigoríficos e fiscais agropecuários federais para comercialização de alimentos adulterados.

A instituição se pronunciou apenas hoje (18) sobre a operação da Polícia Federal Carne Fraca.

"As indústrias associadas a Abiec seguem rígidas normas e padrões nacionais e internacionais de segurança para a produção e comercialização de carne bovina destinada tanto ao mercado interno quanto aos mais de 133 países para os quais exportamos", afirmou a associação em nota.

A Abiec ressaltou que o Brasil é o maior exportador mundial de carne bovina e é reconhecido pela qualidade e status sanitário. Em 2016, as exportações brasileiras totais de carne bovina - que consideram o produto in natura, industrializado, além de cortes salgados e miúdos - somaram US$ 5,5 bilhões e totalizaram 1,4 milhão de toneladas.

Entre as conquistas mais recentes, o País firmou acordo bilateral de comercialização de carne bovina in natura com os Estados Unidos no segundo semestre de 2016. A conquista foi importante para o setor, já que os norte-americanos têm um rígido padrão sanitário, que é seguido por grandes importadores do globo.

Ainda na nota, a Abiec afirmou que os casos que vieram a público são isolados e "não representam a imensa cadeia produtiva de carne bovina no Brasil".

Por fim, a associação diz que repudia veementemente a adoção de práticas que não condizem com a garantia da qualidade do produto nacional e da credibilidade da indústria brasileira. "E reitera sua confiança na atuação do Ministério da Agricultura, bem como nos parâmetros seguidos pelo Serviço de Inspeção Federal".

FOTO: Alex Silva/Estadão Conteúdo

 



Além da propaganda irregular, também é possível notificar outras irregularidades como compra de votos, uso da máquina administrativa ou gastos irregulares

comentários