São Paulo, 27 de Setembro de 2016

/ Brasil

Dilma é derrotada na Câmara em emenda que vincula aposentadoria ao mínimo
Imprimir

Regra estende para o aposentado que ganha mais do que um salário mínimo a correção pela inflação de 12 meses e o PIB de dois anos antes. Impacto nas contas seria de R$ 4,6 bilhões

O governo da presidente Dilma Rousseff sofreu na noite de quarta-feira (24/6) uma dura derrota no Plenário da Câmara ao ver a aprovação de uma emenda que vincula todos os benefícios da Previdência Social à política de valorização do salário mínimo.

Uma indexação desse tipo era considerada desastrosa pelo Palácio do Planalto que, desde a terça-feira (23/6), tentou mobilizar, sem sucesso, sua base para barrar a aprovação da emenda.

Ao final, ela acabou avalizada por 206 deputados, sendo que 179 votaram "não" e quatro se abstiveram.

A emenda foi incluída na Medida Provisória (MP) 672, enviada pelo Executivo para prorrogar as regras de reajuste do mínimo até 2019.

Pela MP, cujo texto-base também passou na noite de quarta-feira (24/6), a correção deve levar em conta a variação da inflação nos últimos 12 meses e o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto, soma de todos os bens e serviços produzidos pelo país) de dois anos antes.

Como os pensionistas que recebem um salário mínimo já têm seus benefícios reajustados com base nessa fórmula, a vinculação afeta quem ganha acima desse valor. Os parlamentares discutem agora outras emendas à MP. Depois de concluída a tramitação na Câmara, ela ainda precisa passar pelo Senado.

"O salário mínimo tem tido ganhos reais, mas o reajuste dos aposentados tem perdido muito poder de compra", disse o deputado Espiridião Amim (PP-SC), que apoiou a emenda.

A possibilidade de a emenda ser aprovada deixou a articulação política da presidente Dilma Rousseff em alerta durante todo o dia de quarta-feira (24/6). Numa matéria sensível aos aposentados, seria impossível - avaliaram auxiliares da petista - medir a lealdade da base aliada levando em conta apenas a orientação dos líderes partidários.

O receio se mostrou justificado: na votação, embora partidos como PMDB, PT e PSD tenham defendido derrubar a emenda, o governo não conseguiu conter as traições.

Na terça-feira (23/6), Dilma convocou uma reunião de emergência com os ministros Joaquim Levy (Fazenda), Nelson Barbosa (Planejamento), Aloizio Mercadante (Casa Civil) e Carlos Gabas (Previdência) e pediu empenho total de sua equipe para impedir a aprovação da emenda.

Ao final do encontro, Gabas disse que dar aval a uma proposta nesse sentido coloca "em alto risco" as contas do sistema previdenciário. Se estivesse valendo, continuou o ministro, o impacto da medida neste ano seria de R$ 4,6 bilhões.

Mas o esforço foi em vão. Inconformado, o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE), disse que Dilma deve vetar a emenda recém-aprovada. O próprio presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), também se manifestou contra a indexação. "Esse momento não é um bom momento para esse tipo de discussão", disse.

A discussão sobre vincular a política do salário mínimo e o Regime Geral da Previdência não é nova. A Câmara chegou a aprovar, no início do ano, o texto-base de um projeto de lei que alongava a atualização do mínimo até 2019, mas o governo costurou um acordo com o presidente da Câmara para retirá-lo de pauta.

O medo do Planalto era justamente que uma emenda estendendo a regra para as aposentadorias fosse aprovado.

SEM VETO

Minutos após a aprovação da emenda aglutinativa que vincula todos os benefícios da Previdência Social à política de valorização do salário mínimo na Medida Provisória 672, deputados da oposição comemoravam o fato do destaque ter sido aprovado no corpo da matéria, o que impossibilita o veto ao item.

Isso significa que se a presidente Dilma Rousseff decidir vetá-la, terá de vetar a MP inteira.

"Não tem como vetar", resumiu o líder do PSDB, Nilson Leitão (PSDB-MT). "Eles (do Palácio do Planalto) não sabem o que fazer. Do jeito que foi feito não tem como rejeitar", lamentou um petista.

A emenda aglutinativa aprovada nesta noite entrou no artigo 1º da MP, que diz: "ficam estabelecido as diretrizes para a política de valorização do salário mínimo e dos benefícios pagos pelo Regime Geral da Previdência Social - RGPS a vigorar entre 2016 e 2019, inclusive a serem aplicados em 1º de janeiro do respectivo ano".

A proposta estabelece que a medida se aplicará a todos os benefícios pagos pela Previdência.

Se ainda assim o governo decidir vetar toda a MP, terá de encaminhar ao Congresso Nacional um projeto de lei com a nova política de ajuste do salário mínimo.

Um dos autores da emenda aglutinativa, deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), o mesmo que conseguiu aprovar a alternativa ao fator previdenciário no plenário, disse nesta noite esperar que o governo mande - como fez após a votação da MP 664 - um novo projeto para a política salarial.



A correção será inferior à projeção do governo para a inflação deste ano, de 7,2% -mas um pouco maior do que a expectativa para a inflação em 2017

comentários

Esse é o valor da primeira parcela do 13º salário que começa a ser paga a partir de hoje para os aposentados. Olimpíada melhorou humor do consumidor, de acordo com lojistas

comentários

Mansueto Almeida, secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, diz que formato final das regras será decidido pelo Congresso

comentários