São Paulo, 28 de Abril de 2017

/ Brasil

Consumidores planejam comprar menos em 2015
Imprimir

Índice da CNC aponta que a intenção de consumo das famílias recuou 6,3% em maio na comparação com abril. A percepção de piora no mercado de trabalho tem contribuído para a menor intenção de consumir

O consumidor está com o pé no freio. A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), indicador da Confederação Nacional do Comércio (CNC), entrou na zona negativa, abaixo de 100 pontos, pela primeira vez ao registrar 96,4 pontos, após queda de 6,3% na passagem de abril para maio. 

A menor disposição das famílias em ir às compras tem refletido na confiança dos empresários. O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Iceio), da Confederação Nacional da Indústria (CNI), tem mostrado esse movimento. Embora tenha melhorado um pouco entre abril e maio, com leve alta de 0,1%, chegando a 38,6 pontos, ele permanece na zona negativa, abaixo de 50 pontos.

O consumidor está menos disposto a gastar porque está mais preocupado com a estabilidade no emprego, mostra o estudo da CNC. O porcentual de famílias que se sentem mais seguras em relação ao emprego atual é de 37,2%. No mês passado, estava em 40%.

Além disso, as famílias também avaliam piora nas perspectivas em relação do mercado de trabalho, com queda de 3,9% em comparação ao mês anterior, e de 9,5% ante maio de 2014. 

O índice Perspectiva Profissional registrou 110,6 pontos. A maior parte das famílias, 50,8% ante 53,7% em abril, ainda considera o cenário favorável de mercado de trabalho para os próximos seis meses.



O índice que mede a evolução da produção ficou em 54,8 pontos em março, um aumento de 10,4 pontos em relação ao registrado em fevereiro, de acordo com a CNI

comentários

Pesquisa da CNC aponta que, para 82% dos entrevistados, a economia vai melhorar nos próximos seis meses

comentários

A piora no índice se deve à percepção negativa sobre o cenário atual dos negócios. Mesmo assim, o indicador permanece acima de 50 pontos, o que sinaliza otimismo

comentários