São Paulo, 22 de Fevereiro de 2017

/ Blogs

Traga seu cliente para criar com você
Imprimir

A participação no desenvolvimento de produtos e serviços sugere que há um caminho inevitável para as marcas

Tente, em 2015, não chamar de consumidores aqueles que compram seus produtos e serviços, mas de cidadãos. Além de uma mudança de palavra, é um câmbio de percepção. Trata-se de reconhecer o poder individual de opinião, organização e mobilização; compreender que o valor das organizações – públicas e privadas – é determinado cada vez mais pelas pessoas. O poder está nas mãos delas. E não há outra saída a não ser dialogar.

De acordo com a pesquisa intitulada Brandshare, conduzida pela agência Edelman de relações públicas em 12 países, Brasil incluído, junto a 15 mil pessoas, uma das principais tendências no relacionamento entre cidadãos e marcas é a participação. A ideia de “conhecer a cozinha do restaurante” espalhou-se para todos os setores, uma vez que desejamos não apenas comprar um produto, mas saber de onde veio, como foi feito e, se possível, participar do seu desenvolvimento e refinamento.

Um exemplo concreto é o projeto Cocriando Natura, em que a gigante de cosméticos abre suas portas para a interferência direta dos indivíduos nos processos de inovação e criação de produtos. A plataforma, que hoje está hospedada no Facebook, ganhou corpo, mostrou-se viável e, em breve, ganhará um espaço próprio para alavancar ainda mais suas interações.

Outras experiências, embora pontuais, já sinalizaram este movimento, como uma promoção de Ruffles para a invenção de um novo sabor para a batata e o projeto Fiat Mio, que se valeu deste contexto para dar à luz um carro totalmente “social”.

Trata-se justamente de um dos aspectos mais demandados pelos respondentes de brandshare: inclusão na concepção de produtos e serviços, bem como transparência sobre as respectivas procedências.

Fonte: Pesquisa Brandshare 2014/Edelman

A pesquisa, no entanto, mostra que – mesmo com exemplos já existentes, como de Natura, Fiat e Pepsico, há ainda um longo caminho a trilhar no amadurecimento desta turbulenta e divertida relação entre marcas e cidadãos.

Mas uma coisa é certa: trata-se de um caminho sem volta.



Eles formam o contingente de consumidores mais abertos à propaganda, mas não gostam de ficar reféns de padrões e querem participar ativamente das decisões das marcas

comentários

Desenvolver uma identidade musical para a loja pode reforçar o posicionamento de uma varejista e ser um diferencial para cativar os consumidores

comentários

Em um ano conturbado por crises, com mudanças comportamentais que emergiram fortemente, as marcas tiveram de explorar novos conceitos para se destacar

comentários