São Paulo, 09 de Dezembro de 2016

/ Blogs

O amanhã segundo a Geração Z
Imprimir

O que pensam das empresas os nascidos entre 1995 e 2009

Não há farol que ilumine melhor o futuro da relação entre cidadãos e marcas do que estudos a respeito do comportamento das gerações mais jovens. Pesquisa recente divulgada pela consultoria Salt na conferência Sustainable Brands, em Londres, afirma que os membros da Geração Z – nascidos entre 1995 e 2009) são muito mais preocupados com a atuação das empresas em torno de causas de interesse público.

Os 500 respondentes da pesquisa afirmam que, no mundo contemporâneo, alguns temas devem ser prioritários para ações públicas e privadas, como a busca da paz, erradicação da pobreza, igualdade de gênero e mitigação dos efeitos das mudanças climáticas.

Embora reconheçam o papel do Estado como essencial para a resolução destes desafios, os adolescentes acreditam que estes propósitos devem ser a principal mola propulsora das empresas – e não apenas objeto de filantropia.

No futuro, as causas serão o negócio, pois a sociedade assim exigirá. Sua empresa está preparada? Se ainda não pensou nisso, comece.



Nascidos na era da internet, esses jovens não gostam de hierarquia, e esperam um ambiente corporativo semelhante ao seu mundo: veloz, interativo e integrado

comentários

Não há outra maneira para gerir uma marca se não houver plena consciência das três dimensões temporais

comentários

É diferente falar de propósito na Dinamarca e em Serra Leoa, claro – as necessidades são profundamente díspares. Mas, se a humanidade aponta para um caminho no que diz respeito às organizações, deve-se olhar para ele

comentários