São Paulo, 07 de Dezembro de 2016

/ Blogs

Estoque perfeito para o perfil da clientela
Imprimir

Software pode elevar receita das lojas em até 7% com tratamento especial à formação de estoque

Um dos termos obrigatórios da convenção da National Retail Federation é Big Data, ou a análise de grandes quantidades de dados para extrair pepitas valiosas de informações.

A Celect, empresa fundada por dois ex-alunos do MIT (Massachusetts Institute of Technology), tem uma abordagem específica para o Big Data no varejo – mesmo para redes pequenas, que ainda não tenham muita informação sobre os clientes. “Um de nossos clientes é uma rede de quatro lojas de sapatos”, diz John Waters, CEO da Celect. Quando alguém pede para experimentar um par de sapatos, o software da Celect é capaz de indicar ao vendedor dois outros pares que possam agradar ao cliente. 

A empresa desenvolveu um software capaz de prever compras e alocamento de estoques de produtos para redes varejistas. “A verdade é que decidir os estoques das lojas é quase uma arte”, diz Waters. “Nosso sistema usa inteligência artificial para fazer previsões científicas de compra e estocagem.” A Celect afirma que o software é capaz de aumentar a receita das lojas em até 7% apenas com um estoque “hiperlocal”, ou seja, adequado ao perfil de compradores que visitam a loja.

O sistema da Celect é baseado em um sistema desenvolvido que foi considerado uma das 50 maiores inovações dos 50 anos de ciências da computação pelo Laboratório de Ciência da Computação e Inteligência Artificial do MIT.



Rony Sato, gerente de inovação e tecnologia da Basf, eleita três vezes uma das cem empresas mais inovadoras do mundo, conta o que uma companhia deve fazer para se manter criativa

comentários

A líder mundial da indústria química mantém parcerias com pesquisadores acadêmicos e startups, fomenta sugestões criativas de funcionários e desenvolve projetos com outras empresas

comentários

Seu aplicativo, que virou uma febre entre os jovens, é acessado a cada dia por cerca de 150 milhões de internautas – quase 15 milhões mais do que o Twitter.

comentários