São Paulo, 23 de Janeiro de 2017

/ Blogs

Do zero aos US$13 bilhões: como decolar e continuar subindo
Imprimir

Fazer a coisa certa é o negócio da Whole Foods Market, que aponta novos caminhos para o capitalismo

Uma das principais dicas de leitura que tenho dado nos últimos doze meses é o livro "Capitalismo Consciente", escrito por John Mackey e Raj Sisodia.

O livro narra a história da Whole Foods Market, empresa norte-americana fundada por Mackey e que registrou, em 2013, US$12,9 bilhões em vendas. 

A marca notabilizou-se como um supermercado de itens saudáveis e orgânicos, preocupado com a sustentabilidade de toda a cadeia produtiva dos produtos que comercializa. Transformou este propósito em uma bandeira empresarial, inspirando uma cultura corporativa poderosa e coesa.

O negócio começou no Texas no começo dos anos 1980, em uma portinhola que logo se expandiu e, mesmo sucumbindo diante da maior enchente que havia acometido o estado à época, foi reerguido pelos próprios funcionários e a comunidade do entorno quando até os sócios pareciam desistir do empreendimento.. Motivados pelo poder de recuperação e a força de uma marca até então pouco percebida pelos idealizadores, iniciou-se um ciclo de crescimento que colocou as crenças organizacionais no centro do negócio. O objetivo não era apenas ganhar dinheiro, mas lucrar fazendo a coisa certa.

Quanto mais a sociedade mobiliza-se em função de temas relevantes para o bem estar dos indivíduos e do planeta, igualmente crescente deverá ser a preocupação dos negócios em, mais que gerar lucros, compartilhar valor com todos os públicos - interna e externamente.

Uma boa aula sobre como fazer isto está no livro, felizmente traduzido para o português.

Divirta-se com a leitura!

 



Heron do Carmo, economista e especialista em inflação, acredita que Brasil voltará a crescer em 2017

comentários

Após crescer em média 2,5% ao ano desde a década de 80, a tendência é que o País cresça 1,5% ao ano daqui para frente

comentários

Baixo crescimento do Brasil e Argentina vai contaminar o desempenho de toda a América Latina, explica relatório pessimista da agência

comentários